A autoaceitação significa amar não quem você é no futuro ou foi no passado, mas quem você é hoje. Quantas das mulheres que você conhece ficam descontentes com a sua própria imagem no espelho? Desde a infância, somos condicionadas a valorizar somente o corpo magro e associar o restante à má saúde, o que faz com que o número de pessoas gordas com baixa autoestima seja altíssimo.

Muitas dessas mulheres pensam ou até já recorreram a procedimentos estéticos/cirúrgicos para alterar o seu corpo com a finalidade de encaixá-lo no padrão – o Brasil é o líder mundial de cirurgias plásticas e a lipoaspiração é uma das mais realizadas. Diante desse dado assustador, que coloca em risco a vida de diversas pessoas todos os dias, as discussões sobre auto aceitação se tornam mais que necessárias. 

Por isso, nós, da Almaria Plus, escrevemos este post com algumas práticas saudáveis que podem te ajudar a romper os preconceitos que moldam a visão negativa que você pode ter sobre si mesma. Para aumentar a aceitação do corpo gordo, reflexões psicológicas e sociais realistas são a solução – vamos dar um salto na jornada do empoderamento feminino juntas? 

Quais são as causas da baixa aceitação do corpo?

Antes de resolver qualquer questão, precisamos esclarecer a natureza do problema. A falta de representatividade é um dos grandes problemas: logo na infância, só conseguimos encontrar brinquedos que se encaixam no padrão branco, esbelto e magro da Barbie. Depois, na adolescência, somos expostas a filmes, séries e comerciais que continuam colocando somente mulheres com corpos magros em papéis relevantes e valorizados.

A personagem gorda, frequentemente, é o alívio cômico dessas mídias, a amiga da principal que só está ali para ajudar. Não há dúvidas de que essa retrataçãodeforma o nosso senso do que é belo e faz parecer que uma barriga que não é totalmente zerada, pernas grossas e curvas são defeitos, e que uma pessoa com essas características não carrega a mesma importância das que se encaixam no padrão estético.

A falta de representatividade resulta no enraizamento desses conceitos desde cedo e isso acaba se tornando um problema de autoestima seríssimo que pode durar por décadas, já que não nos enxergamos em papéis de destaque. Mas esse não é o único problema: você sabia que os nossos próprios pais podem nos transmitir inseguranças?

Comparações, diminuições e críticas em demasia despertam uma busca incessante da crianças pela aceitação alheia, fazendo com que o seu valor precise ser validado constantemente. Mas, apesar desses cenários serem tristes, sempre há oportunidades de superá-los.

Com o esclarecimentos das possíveis causas para uma baixa autoestima, você pode realizar um trabalho muito mais pontual e certeiro na desconstrução desses conceitos que lhe foram transpassados e finalmente conquistar uma aceitação do seu corpo. Veja alguns dos hábitos diários que você pode praticar para alcançar essa meta: 

O que fazer para aceitar seu corpo?

Não é novidade que a sociedade molda as nossas vidas com base em padrões estéticos, mas você já percebeu o quão voláteis eles são? Houve épocas em que somente mulheres com curvas eram consideradas bonitas, mas em tempos mais recentes nada além de uma cintura 34 aparecia em capas de revista.

Quando colocamos esses padrões de beleza numa linha cronológica, podemos perceber que esse male, que afeta tanto a nossa autoimagem e sensação de pertencimento, na verdade tem uma natureza bem instável, irregular e sem sentido — o que diminui um pouco da sua importância, não é? Olha só mais dicas para superar ainda mais esses conceitos que te impedem de ver o quanto você é linda:

1. Siga pessoas realistas nas redes sociais

Lembre-se que as influências que você pode ter do que é bonito são falhas, principalmente nas redes sociais. Não é viável se comparar com celebridades, modelos e influencers que aplicam efeitos, filtros embelezadores e artifícios da própria fotografia (iluminação, poses) em suas fotos, tornando-o as irrealisticamente sem ‘defeitos’.

Ao invés disso, procure acompanhar pessoas que não tentam esconder as partes reais do corpo, como a celulite, as dobras da barriga, as estrias e os cravinhos. Nós temos uma lista especial com as modelos plus size mais influentes do mundo, confira e preencha o seu Instagram com pessoas reais que não distorcem como um corpo é de verdade!

2. Respeite o seu próprio tempo

A aceitação do seu corpo não deve ser forçada!O nosso objetivo com este diálogo não é impor mais um ponto que te separa da sua felicidade apelidando-o de termos como self love. Afinal,exigir que as mulheres amem e apreciem cada detalhe do seu corpo imediatamente seria contraprodutivo e pouco eficaz, visto que cada pessoa tem um ritmo diferente. 

Se você ainda não se sente confortável usando um shorts em público, não se sinta obrigada a fazer isso em nome da autoconfiança. Com reflexões positivas e um reconhecimento de que o seu valor não é medido pelo seu peso, aos poucos a aceitação corporal virá!

3. Tenha companhias positivas

Sabia que alguns estudos mostram que as pessoas te veem 27% mais bonita do que você se vê? O olhar dos nossos amigos e familiares sobre nós é realisticamente mais bondoso, já que a sua visão não está afetada pelas inseguranças que você acumulou diante da pressão da sociedade. Cercar-se de pessoas positivas que valorizam você do seu jeitinho também é uma parte essencial do processo de aceitação! 

4. Encontre o seu estilo próprio

A sociedade ditava que mulheres gordas não podiam usar peças decotadas ou curtas sem parecer vulgar, mas esse preconceito não deve ser mais admitido. Aceitar a existência de diferentes corpos é permitir que as pessoas ocupem seu espaço sendo quem são, e é por isso que você deve se livrar das regrinhas sociais chatas e encontrar o estilo que traduza com precisão quem você é com confiança. 

5. Trabalhe suas inseguranças

Por mais que você pratique as dicas anteriores, há inseguranças que estão enraizadas e precisam ser descontruídas com ajuda profissional. Principalmente se você já sofreu ou sofre de distúrbios alimentares ou psicológicos, a terapia é essencial para que você obtenha a aceitação do seu corpo e se livre dos paradigmas nocivos do passado.

Esperamos ter te ajudado nessa jornada de reconquista da autoestima! Lembre-se de continuar acompanhando a categoria Girl Power do nosso blog para mais conteúdos com discussões bacanas sobre o fundamental empoderamento de mulheres gordas!